Aventura nos lençóis

Ensolarada e abençoada pelos oásis e pelas lagoas que ornamentam as areias das dunas, região é ideal para quem busca aventura e paisagens inesquecíveis

Por Lucie Ferreira

Segundo maior Estado do Nordeste, o Maranhão oferece opções turísticas variadas aos visitantes. Para quem tem preferência por turismo de aventura e ecoturismo, o lugar ideal para conhecer é o Parque Nacional dos Lençóis, localizado no litoral do Estado. Seus 155 mil hectares abrangem paisagens e biomas como dunas, rios, lagoas, manguezais e praias.

O município de Barreirinhas é considerado a principal entrada do parque. Às margens do Rio Preguiças, a cidade disponibiliza grande variedade de hotéis e pousadas. O rio, aliás, é oportunidade para um ótimo passeio: descê-lo até a foz, no Oceano Atlântico, em barco de linha, fretado ou em voadeira (barco veloz e com motor de popa). Ao longo do roteiro, é possível parar em dunas e lagoas, além de observar a fauna do local, que inclui macacos e jacarés. No centro de Mandacaru, pequeno povoado de pescadores (1.300 habitantes) que se situa ao lado esquerdo da Barra do Rio Preguiças, está o Farol. Construída em 1909, a atração tem 54 metros de altura e 160 degraus. Do alto, pode-se avistar o mangue, a Barra do Rio Preguiças, o mar e as comunidades de Caburé e Atins.

E por falar em Caburé e Atins, o primeiro é um vilarejo localizado em uma faixa de areia entre o mar e o rio. Lá o visitante pode tomar banho na praia, quase deserta, e em seguida banhar-se na água doce. O passeio de quadriciclo pelas areias planas leva a Atins, na foz do Rio Preguiças, onde o pôr do sol torna o dia inesquecível.

Protegido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses tem fauna riquíssima. Na região, é possível observar aves migratórias, maçaricos, trinta-réis-boreal e marreca-de-asa-azul. Aliás, o Circuito das Aves é recomendado para quem gosta desse tipo de roteiro, uma vez que concentra o maior ninhal de aves do parque. Já nos manguezais, a jacaretingá, o veado-mateiro e a paca chamam a atenção dos visitantes, enquanto crustáceos, peixes e jacarés são encontrados na lagoa e tartaruguinhas verdes podem ser vistas no mar.

Muita areia – e água

Ir aos Lençóis Maranhenses e não visitar as Lagoas Azul e Bonita é um passeio incompleto. De águas límpidas, cada uma acaba exigindo um dia exclusivo de viagem para aproveitar de forma completa o que elas têm de melhor. O acesso mais fácil é para a Lagoa Azul, cujo transporte deve ser feito com carro de tração, em um percurso de ida e volta com duração aproximada de duas horas. Para chegar à Lagoa Bonita, é preciso percorrer 30 quilômetros por trilhas e subir um monte de areia de 40 metros com a ajuda de cordas. Em meados de abril, há o roteiro do Circuito dos Lagos, que contempla passeios pelos Lagos Santo Amaro, Guapiriba e Travosa, nas comunidades de Bebedouro, Boa Vista, São Francisco e Ponta Verde.

Formadas pela água da chuva graças a um fenômeno geológico bastante raro causado pela ação da natureza há milhares de anos, as lagoas dos Lençóis estão entre as dunas, e algumas têm até peixes. Estima-se que, caso não chovesse na região 300 vezes mais do que no Saara, o local seria um imenso deserto.

Para quem não dispensa ir à praia, o Circuito Litoral oferece a chance de conhecer Travosa, uma vila de pescadores em Santo Amaro. Em Barreirinhas, outras lindas praias são Ponta do Mangue, Moitas, Vassouras, Morro do Boi e Barra do Tatu. Para chegar a elas, há um barco que parte da sede do município.

Embora não haja época específica para contemplar as belezas dos Lençóis, para quem deseja exclusivamente aproveitar o melhor do parque, é recomendada a visitação após o período de chuvas (entre os meses de dezembro e junho), a partir de julho, quando as lagoas costumam estar mais cheias. Outra recomendação aos visitantes é fazer os passeios com o acompanhamento de guias, uma vez que é preciso conhecer bem o local para não correr o risco de se perder.

O que levar na mala?

o roupas leves (bermudas, camisetas, roupa de banho);
o chinelos e sandálias;
o chapéu ou boné;
o repelente;
o óculos escuros;
o protetor solar;
o comidas leves e muita água para os passeios, pois na área protegida do parque não há infraestrutura de apoio.

Anote na Agenda
Gerência de Turismo do Maranhão www.turismo.ma.gov.br
Parque Lençóis www.parquelencois.com.br

*Reportagem publicada na revista Dec News (maio/2009)

Anúncios
Esse post foi publicado em Turismo, Veículo: Dec News. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s